Como controlar percevejos

Características

São pequenos insetos da ordem Hemiptera que possuem aparelho bucal sugador. Os percevejos, na fase adulta, têm o primeiro par de asas com a parte inicial dura e a parte final mole (hemiélitro). Em repouso, as asas anteriores cobrem as posteriores, formando uma superfície plana e colorida. As ninfas são muito semelhantes ao inseto adulto, mas sem asas. Causam danos às plantas tanto na fase adulta como na fase jovem (ninfas).

percevejo

Os ovos têm forma de barril e geralmente são depositados alinhados na página inferior das folhas. Algumas espécies, no entanto, depositam os ovos dentro das folhas.

Danos e sintomas

Os percevejos alimentam-se da seiva e injetam sua saliva tóxica, provocando a morte da parte interna da planta que leva a secura das folhas e a malformação de flores, frutos e sementes. Também podem transmitir fungos e outras doenças.

Controle

a) Controle cultural

– Destruição das plantas daninhas hospedeiras de percevejos.

– Esmagar percevejos e seus ovos com a mão.

– Uso de plantas armadilhas: Os percevejos são atraídos por leguminosas. Pode-se plantar leguminosas ao redor da cultura e realizar tratamentos somente nas plantas armadilhas.

b) Controle biológico

As vespinhas parasitóides de ovos Trissolcus basalis e Telenomus podisi são utilizadas no controle biológico de percevejos. São pequenas vespas de coloração preta brilhante de 1 mm de comprimento. Elas se desenvolvem dentro dos ovos do percevejo, completando seu ciclo num período de 10 a 12 dias. Os ovos parasitados pelas vespas mudam a coloração, passando de tonalidade clara para escura.

Trissolcus basalis

c) Defensivos

Extracto  das flores do piretro + sal de cozinha

O piretro (Chrysanthemum cinerariaefolium) é uma planta da família Asteraceae. As flores do piretro são machucadas para obter os componentes ativos, chamados piretrinas, que atacam o sistema nervoso dos insetos. A adição do sal potencia a ação do inseticida. Recomenda-se uma concentração de 0,5% (50g de sal em 10L de calda).

Autor: Miguel Lancho Jiménez


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

-PICANÇO, Marcelo Coutinho – PROTEÇÃO DE PLANTAS: Manejo integrado de pragas. Viçosa, MG – 2010

-PAPA, G. Proteção de Plantas – Métodos de Controle de Pragas e Manejo Integrado. Viçosa, 2010.

-Maria Aico Watanabe Luiz Antonio Silveira Melo. Controle biológico de pragas de hortaliças. EMBRAPA Jaguariúna, 2006

– Miguel Michereff Filho; Jorge Anderson Guimarães; Alexandre Pinho de Moura; Valter Rodrigues Oliveira; Ronaldo Setti de Liz Reconhecimento e controle de pragas da cebola. Circular Técnica EMBRAPA Brasília, DF Outubro, 2012

-ISMAN, M.B. Plant essential oils for pest and disease management. Crop Protection, 204 Guilford 2000

-ROEL, A. R. Utilização de plantas com propriedades inseticidas: uma contribuição para o desenvolvimento rural sustentável. Rev. Internacional de desenvolvimento local, 2001

-NEVES, B. P.; OLIVEIRA, I. T.; NOGUEIRA, J. C. M. Cultivo e utilização do nim indiano. Santo Antônio de Goiás: EMBRAPA/CNPAF, 2003. 12 p. (Circular Técnica, 62)

-AGUILAR E. Inseticidas Botânicos: Seus Princípios Ativos, Modo de Ação e Uso Agrícola. EMBRAPA AGROBIOLOGIA. Seropédica – RJ 2005

-VENDRAMIM, J. D. Uso de plantas inseticidas no controle de pragas. In: CICLO

-ABREU JUNIOR, H. Práticas alternativas de controle de pragas e doenças na agricultura. Coletânea de Receitas.EMOPI, Campinas-SP, 1998.

-BARBOSA, F.R.; SILVA, C.S.B. da; CARVALHO, G.K. de L. Uso de inseticidas alternativos no controle de pragas agrícolas. Petrolina: EMBRAPA Semi-Árido. 2006. 47 p. (EMBRAPA Semi-Árido. Documentos, 191)

-MICHEREFF M. F.; GUIMARÃES J. A. Recomendações para o Controle de Pragas em Hortas Urbanas. EMBRAPA. Circular Técnica 80, Brasília, DF Novembro, 2009

-PENTEADO S R. “Defensivos Alternativos e Naturais”

4 thoughts on “Como controlar percevejos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.