Como controlar pulgões

Características.

Os pulgões ou afídeos, também conhecidos como piolhos das plantas, são pequenos insetos (de 1 a 5 mm) sugadores de seiva pertencentes a ordem Homoptera. Seu corpo é ovalado, com antenas longas e geralmente tem cor uniforme, existindo indivíduos castanhos, cinzentos, amarelos, verdes, vermelhos ou pretos. A maioria não possue asas. Os poucos indivíduos com asas possuem dois pares de asas membranosas e transparentes. São capazes de se multiplicar rapidamente, causando sérios danos.

Pulgão

Os pulgões estabelecem uma relação de mutualismo com as formigas. Os primeiros fornecem substâncias açucaradas que secretam enquanto às formigas os dispersam e os defendem contra os seus inimigos naturais.

pulgao formiga

Danos e sintomas:

Os pulgões, tanto jovens (ninfas) quanto adultos, alimentam-se de seiva; injetam na planta substâncias tóxicas e transmitem agentes patógenos, como vírus e fungos. Ao se alimentarem, os pulgões excretam um líquido açucarado que atrai para o local as formigas. O líquido cai sobre as folhas, favorecendo o desenvolvimento de um fungo, de coloração negra, denominado “fumagina”, que dificulta a respiração e a fotossíntese da planta.

Pulgão sintomas

Os pulgões provocam o encarquilhamento, a murcha, o secamento e a queda de folhas. Causam declínio rápido da planta, seca dos galhos e folhas amareladas. Nas flores, provocam o secamento e a queda, reduzindo, consequentemente, a produção de frutos. Nos lugares picados pelo pulgão aparecem manchas cloróticas que podem evoluir para necrose do tecido.

Controle

a) Controle Cultural

Pulgão controle

-Eliminar as ervas daninhas hospedeiras do pulgão como beldroega (Portulaca oleracea), bredo (Amaranthus spinosus), pega pinto (Boerhaavia diffusa) e malva branca (Sida cordifolia).

-Armadilhas adesivas. Instalar, em diferentes pontos do cultivo, placas ou garrafas plásticas descartáveis do tipo “pet” pintadas de amarelo, para atração de pulgões. Estas armadilhas atrativas devem ser revestidas com uma camada de cola ou graxa para retenção dos insetos.

Em hortas pequenas, os pulgões podem ser removidos das plantas com escova de dente, esponjas ou cotonete embebido em vinagre ou álcool etílico.

-Podar e queimar as partes mais afetadas da planta.

b) Plantas repelentes
Tagetes_Queen Sophia

Cultivar em volta ou dentro da horta plantas que liberam substâncias voláteis que repelem aos pulgões como tagetes ou cravo-de-defunto (Tagetes sp.), coentro (C. sativum), hortelã (Mentha spp.), calêndula (Calendula officinalis), mastruz (Chenopodium ambrosioides), artemisia (Artemisia sp.) e arruda (Ruta graveolens).

 

c) Controle biológico

A ação dos inimigos naturais na redução dos pulgões é de grande importância. Um dos principais inimigos naturais desta praga são os insetos da família Coccinellidae conhecidos popularmente por joaninhas. Uma joaninha pode chegar a predar 1.000 pulgões, durante toda a sua vida.

Pulgão joaninhas
Larva e adulto de joaninha Cycloneda sanguinea (L.) alimentando-se de pulgão.

É de vital importância conservar as joaninhas para contar com a ajuda das mesmas no controle de pragas. Estes alimentam-se de néctar floral ou extrafloral e pólen quando a presença de pulgões é escassa. Assim, a ausência de plantas com flores limita a presença das joaninhas. Plantas com flores devem ser plantadas dentro e/ou ao redor do cultivo. Entre as espécies mais apropriadas para atrair joaninhas estão as tulipas e lírios, a erva doce (Pimpinella anisum L.), Coentros (Coriandrum sativum L.), Cominhos (Cominum cyminum), Angelica (Angelica Officinalis), Milefólio (Achilea millefollium L ) Cosmos (Cosmos bipinnatus) principalmente o branco, Coreopsis (Coreopsis lanceolata), Gerânio perfumado (Pelargonium sp) e Dente de leão (Taraxacum officinale L,).

As joaninhas são muito sensíveis aos inseticidas, mesmo aos naturais. Devem ser usados inseticidas seletivos, deixando áreas de refúgio sem tratar.

d) Defensivos

-Sabão Neutro com Água Defensivo que preserva os inimigos naturais do pulgão. Para prepará-lo dissolva sabão neutro em meio litro de água quente. Depois, dissolva novamente o preparado em nove litros e meio de água e aplique sobre as plantas atacadas.

cochonilha controle

Extratos de pimenta do reino (Piper nigrum)

Óleo de nin (Azadiracta indica)

Extrato de folhas de tomate contra pulgões

Ferver 200g de folhas e caules em meio litro de água e após esfriar e filtrar diluir em dois litros de água. Pulverizar sobre as plantas.

-Extrato de fumo

 Autor: Miguel Lancho Jiménez

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

-PICANÇO, Marcelo Coutinho – PROTEÇÃO DE PLANTAS: Manejo integrado de pragas. Viçosa, MG – 2010

-PAPA, G. Proteção de Plantas – Métodos de Controle de Pragas e Manejo Integrado. Viçosa, 2010.

-Barbosa Flávia Rabelo Pulgão EMBRAPA

-Maria Aico Watanabe Luiz Antonio Silveira Melo. Controle biológico de pragas de hortaliças. EMBRAPA Jaguariúna, 2006

LIXA Alice Teodorio Bioecologia de Joaninhas Predadoras em Sistema Orgânico Diversificado e Efeitos de Defensivos Alternativos sobre Coleomegilla maculata (Coleoptera: Coccinellidae) em Laboratório

-ISMAN, M.B. Plant essential oils for pest and disease management. Crop Protection, 204 Guilford 2000

-ROEL, A. R. Utilização de plantas com propriedades inseticidas: uma contribuição para o desenvolvimento rural sustentável. Rev. Internacional de desenvolvimento local, 2001

-NEVES, B. P.; OLIVEIRA, I. T.; NOGUEIRA, J. C. M. Cultivo e utilização do nim indiano. Santo Antônio de Goiás: EMBRAPA/CNPAF, 2003. 12 p. (Circular Técnica, 62)

-AGUILAR E. Inseticidas Botânicos: Seus Princípios Ativos, Modo de Ação e Uso Agrícola. EMBRAPA AGROBIOLOGIA. Seropédica – RJ 2005

-VENDRAMIM, J. D. Uso de plantas inseticidas no controle de pragas. In: CICLO

-ABREU JUNIOR, H. Práticas alternativas de controle de pragas e doenças na agricultura. Coletânea de Receitas.EMOPI, Campinas-SP, 1998.

-BARBOSA, F.R.; SILVA, C.S.B. da; CARVALHO, G.K. de L. Uso de inseticidas alternativos no controle de pragas agrícolas. Petrolina: EMBRAPA Semi-Árido. 2006. 47 p. (EMBRAPA Semi-Árido. Documentos, 191)

-MICHEREFF M. F.; GUIMARÃES J. A. Recomendações para o Controle de Pragas em Hortas Urbanas. EMBRAPA. Circular Técnica 80, Brasília, DF Novembro, 2009

-PENTEADO S R. “Defensivos Alternativos e Naturais”

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.