Como controlar cigarras e cigarrinhas

Características

a) Cigarras

São insetos com aparelho bucal sugador da ordem Hemíptera. Os adultos possuem asas membranosas transparentes e os machos cantam para atrair as fêmeas. Na fase jovem (ninfas) atacam as raízes, alimentam-se da seiva das raízes continuamente.

cigarraoficial1

b) Cigarrinhas

As cigarrinhas são insetos sugadores da ordem Hemíptera que se alimentam em vários tecidos vegetais. Apresentam coloração diversa, variando do verde claro ao preto com manchas vermelhas, pretas e amarelas. As formas jovens das cigarrinhas ficam protegidas por uma espuma branca característica, semelhante a cuspe. Os adultos são pequenos e possuem o primeiro par de asas semelhantes às asas de barata.

cigarrinha

Sintomas e danos

a) Cigarrinhas

Sugam a seiva e injetam toxinas, causando intoxicação sistêmica das plantas (fitotoxemia) que interrompe o fluxo de seiva e o processo vegetativo. São também vetores de organismos que causam doenças. Algumas espécies de cigarrinhas prejudicam a planta ao inserir os ovos em ramos verdes. As formas jovens (ninfas) sugam a seiva das raízes, produzindo espuma branca típica, que as protege dos raios solares e de certos predadores.

cigarrinhas das pansagens sintomas

Em pastagens os sintomas iniciais são estrias longitudinais amareladas que aumentam para o ápice da folha e posteriormente secam. Quando o ataque é intenso, pode haver amarelecimento geral da pastagem.

b) Cigarras

É uma praga muito comum em café. As larvas se fixam nas raízes e se alimentam da seiva da planta, sendo que essa fase larval pode durar até um ano ou mais. Os ferimentos causados nas raízes das plantas geram prejuízos, já que as raízes ficam mais frágeis à contaminação por fungos e bactérias. O cafeeiro, quando atacado por cigarras, apresenta definhamento progressivo, folhas com pontuações brancas e com queda prematura e decréscimo acentuado de produção.

Controle

a) Cigarrinhas

1-Controle cultural

-Utilização de plantas resistentes: Algumas forrageiras apresentam características que dificultam a propagação da praga, como pilosidade, rigidez dos tecidos e produção de alomônios.

Realizar adubação equilibrada

-Consorcio de gramíneas nativas ou resistentes com gramíneas suscetíveis

Evitar o superpastejo mantendo as gramíneas a uma altura ao redor de 25 cm.

recuperacao-de-pastagens-degradadas

Preservação de matas ou faixas de vegetação nativa, lugar de abrigo dos inimigos naturais das cigarrinhas.

2-Controle biológico

Os principais inimigos naturais das cigarrinhas das pastagens são os pássaros (Anu-branco, Anu-preto, Bem-te-vi, Andorinha), aranhas e insetos (micro Vespa (Anagrus urichi), formigas predadoras, larva de mosca (Salpingogaster nigra)).

Para aumentar a presença de inimigos naturais devem-se cultivar três ou mais tipos de gramíneas, consorcia-os com leguminosas, preservar as matas próximas e usar inseticidas seletivos com os inimigos naturais.

3 – Defensivos

O inseticida microbiológico formulado a partir de esporos do fungo Metarhizium anisopliae controla as cigarrinhas provocando uma doença nelas. Os esporos de Metarhizium anisopliae entram em contato com o inseto, penetram na sua cutícula, colonizando os órgãos internos do hospedeiro que para de se alimentar e morre.

Metarhizium anisopliae cigarrinhas

A pulverização deve ser feita a final da tarde utilizando-se de 200 a 300 litros de água/ha, para atingir a base da gramínea, onde as ninfas se alojam. As condições favoráveis para o fungo incitar a doença são: temperatura entre 26 a 27 ºC, umidade relativa do ar acima 75% e baixa radiação ultravioleta.

b) Cigarras

1- Controle Cultural

estiagem cafe novo capa

-Arborização com espécies não hospedeiras.

-Quando a infestação for muito grave, só resta a eliminação do cafezal e replantio somente após pelo menos 3 anos.

2 –Defensivos

O inseticida microbiológico formulado a partir de esporos do fungo Metarhizium anisopliae causa mortalidade das ninfas.

Autor: Miguel Lancho Jiménez


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

-PICANÇO, Marcelo Coutinho – PROTEÇÃO DE PLANTAS: Manejo integrado de pragas. Viçosa, MG – 2010

-PAPA, G. Proteção de Plantas – Métodos de Controle de Pragas e Manejo Integrado. Viçosa, 2010.

-Maria Aico Watanabe Luiz Antonio Silveira Melo. Controle biológico de pragas de hortaliças. EMBRAPA Jaguariúna, 2006

CONTROLE DAS CIGARRAS DO CAFEEIRO revistacafeicultura.com.br

Controle de cigarrinha-das-pastagens Embrapa

– Miguel Michereff Filho; Jorge Anderson Guimarães; Alexandre Pinho de Moura; Valter Rodrigues Oliveira; Ronaldo Setti de Liz Reconhecimento e controle de pragas da cebola. Circular Técnica EMBRAPA Brasília, DF Outubro, 2012

-ISMAN, M.B. Plant essential oils for pest and disease management. Crop Protection, 204 Guilford 2000

-ROEL, A. R. Utilização de plantas com propriedades inseticidas: uma contribuição para o desenvolvimento rural sustentável. Rev. Internacional de desenvolvimento local, 2001

-NEVES, B. P.; OLIVEIRA, I. T.; NOGUEIRA, J. C. M. Cultivo e utilização do nim indiano. Santo Antônio de Goiás: EMBRAPA/CNPAF, 2003. 12 p. (Circular Técnica, 62)

-AGUILAR E. Inseticidas Botânicos: Seus Princípios Ativos, Modo de Ação e Uso Agrícola. EMBRAPA AGROBIOLOGIA. Seropédica – RJ 2005

-VENDRAMIM, J. D. Uso de plantas inseticidas no controle de pragas. In: CICLO

-ABREU JUNIOR, H. Práticas alternativas de controle de pragas e doenças na agricultura. Coletânea de Receitas.EMOPI, Campinas-SP, 1998.

-BARBOSA, F.R.; SILVA, C.S.B. da; CARVALHO, G.K. de L. Uso de inseticidas alternativos no controle de pragas agrícolas. Petrolina: EMBRAPA Semi-Árido. 2006. 47 p. (EMBRAPA Semi-Árido. Documentos, 191)

-MICHEREFF M. F.; GUIMARÃES J. A. Recomendações para o Controle de Pragas em Hortas Urbanas. EMBRAPA. Circular Técnica 80, Brasília, DF Novembro, 2009

-PENTEADO S R. “Defensivos Alternativos e Naturais”

 

One thought on “Como controlar cigarras e cigarrinhas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.