Vespa parasitoide Trichogramma sp. Controle biológico de lagartas

O que é Trichogramma?

Trichogramma sp é um gênero de vespas parasitoides de ovos de inúmeras espécies de praga da ordem Lepidoptera (mariposas e borboletas), sendo importantes e reconhecidos agentes de controle biológico em sistemas de produção agrícola. Esse gênero tornou-se um dos grupos de insetos mais utilizados no mundo no controle de lepidópteros em algodão, cana-de-açúcar, frutíferas, hortaliças, trigo, milho e florestas.

Trichogramma sp

Como é o inseto?

São vespas de tamanho diminuto, variando de 0,2 mm a 1,5 mm de comprimento de coloração amarelo fosco, apresentando olhos vermelhos.

trichogramma-lg

Como é o ciclo de vida da vespa?

O ciclo de vida é dividido nas fases de ovo, larva e pupa, que ocorrem obrigatoriamente dentro do ovo hospedeiro, e a fase adulta, que é a única de vida livre.

Trichogramma cicli de vida

O ciclo de vida de Trichogramma sp. (ovo – adulto) dura aproximadamente 10 dias. A fêmea faz a sua oviposição dentro do ovo de seu hospedeiro. Dentro de algumas horas, nasce a larva, que se alimenta do conteúdo do ovo do hospedeiro. Deste sai a vespa adulta, que, de imediato, inicia o processo de busca de uma nova postura para continuar a propagação da espécie.

Trichogramma sp parasita ovos da praga num raio de aproximadamente 10 m a partir do ponto de liberação. Uma fêmea pode parasitar entre um e dez ovos por dia.

Quais pragas são controladas?

Trichogramma sp parasita os ovos de inúmeras espécies de praga. As vespas apresentam como principal vantagem a possibilidade de controlar a praga antes que sejam causados danos à cultura.

Após a realização de pesquisas científicas, comprovou-se a eficiência do controle biológico pela atuação da vespa nas seguintes pragas agrícolas:

trichogramma pragas

Agraulis vanillae; Dione juno juno; Agrotis sp; Alabama argillacea; Heliothis virescens; Spodoptera frugiperda;Anticarsia gemmatalis; Diatraea saccaralis; Helicoverpa zea; Neoleucinodes elegantalis; Tuta absoluta; Plutella xylostella; Erinnyis ello; Stenoma catenifer; Ecdytolopha aurantiana

 Como se criam as vespinhas no laboratório?

Para a criação do Trichogramma, utiliza-se um hospedeiro alternativo. Os hospedeiros alternativos possibilitam o desenvolvimento das vespinhas de forma semelhante à de seu hospedeiro praga preferencial.

No laboratório, adultos do hospedeiro alternativo são criados. Depois do acasalamento, as fêmeas colocam seus ovos, que, numa etapa posterior, são separados, recolhidos e esterilizados com luz ultravioleta, inviabilizando o embrião do hospedeiro. Em seguida, os ovos são oferecidos à vespinha de Trichogramma, que põe de um a dois ovos dentro do ovo do hospedeiro.

Os ovos parasitados do hospedeiro, que já contém a larva da vespinha Trichogramma sp, são colocados nos embalagens definitivos para sua distribuição na lavoura.

Como é apresentado o produto?

O produto é apresentado em cartelas biodegradáveis com mais de 2 mil ovos de um hospedeiro alternativo parasitado pela vespa Trichogramma sp. As cartelas são colocadas na plantação. Depois que as vespinhas eclodem dos ovos, elas saem voando da cartela e iniciam o processo de busca dos ovos da praga para parasitar-lhes.

cartela trichogramma

 

Como se devem distribuir as cartelas na área alvo?

Quanto mais uniforme for a liberação dos insetos, melhor será a eficiência do controle. Como o inseto só voa 10 metros durante sua curta vida, de uma semana, as cartelas precisam ser posicionadas num raio de 20 metros uma das outras, o que totalizaria uns 60 pontos/ha.

Ajustes na densidade de Trichogramma sp. podem ser necessários em função do estágio e densidade da planta. Tão logo o Trichogramma eclode, inicia o processo de “busca” em toda a planta do ovo da praga para colocar seu próprio ovo, o tempo gasto em uma planta será tanto maior quanto for o estágio de desenvolvimento vegetativo. Portanto, deve-se diminuir a distância entre cartelas quanto maior for o tamanho da planta.

Quantas vespas precisamos distribuir por hectare?

A média é de 100 mil insetos por hectare para uma aplicação, porque muitos se perdem e outros tantos migram para outras áreas. Por isso, se recomenda que seja liberado um número maior do que o necessário.

 Como se libera o produto?

Quando for observada a emergência dos primeiros adultos, levam-se as cartelas para o campo, colocando-as na planta. Elas devem ser posicionadas contra o sol para que não ressequem os ovos das vespas.

Quando devemos colocar as cartelas?

A época de liberação deve ser imediatamente após a chegada da mariposa-praga na área alvo, pois indicará a proximidade da postura. A determinação mais precisa da chegada da mariposa é através da captura em armadilha apropriada conjugada com feromônio sintético.

Que frequência de liberação devemos usar?

A distribuição no campo deve ser sincronizada com o aparecimento dos primeiros adultos da praga. As liberações devem ser repetidas com uma frequência semanal ou menor, dependendo do grau de infestação da praga, temperatura, estágio e densidade da planta. Normalmente três liberações são suficientes para controlar a praga alvo.

Os ovos parasitados pelo Tricograma ficam escurecidos
Os ovos parasitados pelo Trichogramma ficam escurecidos

Quais são as condições abióticas (temperatura, vento, umidade, chuvas…) ideais para o desenvolvimento das vespinhas no campo?

As vespinhas parasitoides podem se desenvolver entre 18 e 32 Cº, sendo a temperatura ideal para o melhor desempenho do parasitoide entre 22 e 30 Cº. Em um dia bem ensolarado e quente, a aplicação deve ser realizada antes das 10 horas e após as 16 horas. Já em um dia nublado, ela pode ser feita durante todo o dia.

O vento em velocidades inferiores a 3,6 m/s não tem influência na dispersão da vespa.

Trichogramma sp sobrevive e se dispersa na faixa de umidade relativa compreendida entre 33 % e 92 %

Deve se considerar a previsão de chuvas antes de fazer a liberação das vespinhas. A ocorrência de chuva, logo após a liberação das cartelas elimina cerca de 80% das pupas aderidas ao cartão, refletindo na diminuição da eficiência.

Como afeta o uso de inseticidas às vespas de Trichogramma?

Adultos de Trichogramma são direta e rapidamente mortos por inseticidas de largo espectro. O uso de insecticidas de largo espectro para controlar outros insetos é sem dúvida uma limitação significativa para a utilização de Trichogramma.

Organofosforados, carbonatos e piretroides são os grupos de inseticidas sintéticos que mais afetam as vespinhas. É recomendável a distribuição dos parasitoides ao menos 48 horas depois da aplicação destes inseticidas.

 Qual é o custo de tratamento?

Além das vantagens do controle biológico sobre o uso de inseticidas químicos anteriormente citados, o custo também é um aspecto positivo. Estima-se que um tratamento com Trichogramma seja de 30 a 45 % mais barato do que o tratamento químico.

Trichogramma lagarta

Se precisar de mais informações sobre o parasitoide Trichogramma sp, entre em contato conosco.

Autor: Miguel Lancho Jiménez

 

 

 

3 thoughts on “Vespa parasitoide Trichogramma sp. Controle biológico de lagartas

  • Elton

    Estamos fazendo aplicacao com aviao aereo modelismo muito bom eficaz

  • Edison

    Bom Dia , temos um pé de goiaba roxa em nosso jardim com uns 3 anos de idade e nunca conseguimos frutos sem o famoso bicho da goiaba , em 2015 através do Mundo Horta , nos indicaram as Vespa Trichogramma e mais alguns produtos e agora em 2016 estamos colhendo pela 1ª vez as goiabas sem o bicho , o pé está lindo, carregado e ainda cheio de flores , agradeço muito o pessoal da Mundo Horta que sempre nos atendeu muito bem e em especial ao Adair que sempre nos orienta em tudo no que for possível para cultivarmos nosso jardim .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.